É um tuíte ou uma criptomoeda? Está cada vez mais difícil saber


O dinheiro da internet e as mídias sociais colidiram dramaticamente, remontando à era das ações pontocom

“Estamos decididos a cumprir uma missão”, diz o empresário de criptomoedas Nader Al-Naji, de 30 anos, enquanto come um bife mal passado em uma sala privada no Quality Meats, um dos templos da carne vermelha em Midtown Manhattan.

Essa diretriz, diz, é encontrar uma combinação ideal de mídia social e tecnologia de blockchain. “Eu sinto que o dinheiro e o social juntos podem competir”, diz Al-Naji. Em abril, ele lançou o BitClout, um site que é parte Twitter e parte um marketplace de criptos. Seus usuários postam enquanto cunham suas próprias moedas, com valor vinculado a nada mais do que a percepção que a Internet tem deles. Por exemplo, o capitalista de risco bilionário Chamath Palihapitiya está no BitClout, onde a Chamath Coins atingiu um valor de mercado total de quase US$ 2 milhões. Mais polêmico, o BitClout também permite que os usuários negociem moedas vinculadas a pessoas sem contas registradas — Elon Musk não entrou, mas Elon Coins continua sendo o ativo mais valioso do BitClout, valendo quase US$ 30 milhões — gerando críticas de que os usuários poderiam lucrar sobre indivíduos sem sua permissão. (Como acontece com a maioria das coisas criptográficas, as legalidades são obscuras.) Para afastar os detratores, Al-Naji usou um pseudônimo emprestado de outro meme da internet, Diamondhands, durante parte do ano passado.

Seus planos não param com o BitClout. Em setembro, ele revelou seu próprio sistema de contabilidade digital, DeSo, depois de receber cerca de US$ 50 milhões em financiamento de Andreessen Horowitz, Sequoia, os gêmeos Winklevoss e outros ( em bitcoin, não em dólares, naturalmente.) Desde então, desenvolvedores de terceiros lançaram mais de 200 aplicativos de mídia social usando o blockchain DeS. A moeda atingiu uma capitalização de mercado de US$ 1,7 bilhão. Por trás de tudo isso: a crença de Al-Naji de que o conteúdo de mídia social gravado em um registro virtual imutável tornará mais fácil para as pessoas ganhar dinheiro e receber crédito por seu trabalho na web, ao mesmo tempo que dá às plataformas a chance de se governarem. “Vou fazer isso pelos próximos 10 anos”, diz Al-Naji, com vinho tinto na mão.

Versões dessa cena, em que o dinheiro da internet e a mídia da internet colidem, ocorreram com frequência crescente em 2021. Os dois se cruzaram há muito tempo, remontando à era das ações pontocom e do quadros de mensagens do Yahoo!. Mas sua convergência foi especialmente dramática no ano passado. Alimentados pela mídia social, dezenas de bilhões de dólares foram investidos na criptografia — e em direção ao que hoje chamamos de ações meme, ações negociadas em grande parte com base no sentimento impulsionado pela Internet por pequenos investidores. Ficou difícil dizer onde termina a mídia social e onde começa a criptomoeda e as altas finanças, resultando em uma euforia para ganhar dinheiro que definiu a internet de forma mais significativa durante o ano passado do que qualquer tendência do TikTok ou influenciador do Instagram.

Claro, essa não foi a única coisa que aconteceu nas redes sociais em 2021. A credibilidade do Facebook pegou fogo. O Twitter lançou muitos novos recursos, muitos deles visando atingir as ambiciosas metas de crescimento de usuários da empresa (mais de 300 milhões de usuários em 2023, um aumento de 60% a partir de hoje). A economia em torno dos criadores de mídia social, que cada vez mais parecem dispostos a substituir as estrelas da TV e cantores pop como as principais celebridades de hoje, continuou a tomar uma forma mais concreta.

Aqui está o que vimos nas redes sociais nos últimos 12 meses, dividido em algumas categorias de prêmios de final de ano. Quão seriamente você deve levar isso? Julgue-nos pelas escolhas do ano passado. E então vá em frente, quebre um hábito de sua vida — leia além da manchete abaixo:

Melhor Produto: Twitter

O Twitter passou grande parte da última década em um estado que lembra uma animação suspensa, uma época em que aumentar a duração de um tuíte para 280 caracteres contava como uma grande inovação para o site de “microblogging”. O lugar parecia muito menos sonolento em 2021 quando a empresa (finalmente) lançou novos recursos (uma quantidade enorme). Alguns se concentraram em dar aos influenciadores novos caminhos para ganhar dinheiro, como Super Follows, um acesso pago por assinatura por meio de tuítes. Vários lidaram com questões de segurança — permitindo que os usuários, por exemplo, controlassem melhor quem pode ler e responder a seus tuítes. Enquanto outras funções, como um prompt pedindo aos usuários que realmente leiam uma história antes de compartilhar, empurraram toda a indústria um pouco mais longe na moderação de conteúdo.

O mais proeminente desses novos recursos: Spaces, que é popular mas enfrenta o desafio de estabelecer novas regras de moderação para salas de chat de áudio ao vivo. “Nosso objetivo era mudar as conversas que as pessoas poderiam ter no Twitter, abrindo a porta para que a voz fosse uma parte central dessa experiência”, disse Esther Crawford, chefe de produtos para criadores do Twitter. “Embora as pessoas normalmente usem o Twitter para tuitar sobre tópicos, agora elas podem usar a voz para falar por minutos ou, em alguns casos, horas a fio.”

Nem todas as novas ideias funcionaram. O Twitter estreou e, em seguida, matou o Fleets, uma cópia da função Stories do Snap. “Talvez um dia tenhamos um botão de edição”, diz Crawford. “Não vou dizer nunca. Simplesmente não passou a ser uma prioridade. ” Uma dessas prioridades honestas: a capacidade de verificar a propriedade de NFTs no Twitter, um recurso esperado no início do próximo ano.

Inovador Disruptivo: Pietra Studio

“Nossa hipótese era muito direta”, diz Ronak Trivedi, o CEO de 32 anos e cofundador do Pietra Studio. “Se você é alguém que ganha a vida online” – um influenciador – “e tem uma ideia para uma linha de produtos, você realmente não tinha as ferramentas, os mecanismos ou a infraestrutura para realmente fazer isso acontecer.” Entre em Pietra: por uma assinatura mensal de US$ 39, oferece aos criadores um mercado para se conectar com fabricantes contratados para produzir joias de marca, camisas, toalhas, café, velas – praticamente tudo e qualquer coisa que alguém gostaria de colocar seu nome. No passado, encontrar esse fabricante seria significativamente mais trabalhoso e caro. Porém, é imperativo, já que as vendas de mercadorias representam uma parte essencial dos ganhos do criador. O Pietra, que saiu da versão beta no início deste ano, também ganha dinheiro oferecendo serviços adicionais de depósito, fotografia e entrega. Ao todo, gerou cerca de US$ 10 milhões em receita em 2021, ao mesmo tempo em que obteve uma avaliação de US$ 75 milhões de investidores como Andreessen Horowitz.

Novato mais instigante: Constitution DAO

Esse foi o grito de guerra de um coletivo da Internet que se juntou para fazer um lance para adquirir uma cópia rara da Constituição dos EUA em novembro. O grupo era uma DAO (organização autônoma descentralizada), ou uma cooperativa governada e controlada por meio de registros de blockchain. Os DAOs são um ponto central em um movimento de tecnologia cada vez mais agitado chamado Web3, que postula que a próxima geração de empresas on-line funcionará com essa tecnologia. Para essas organizações, as plataformas de mídia social são seu palco e criadouro. Eles vendem e recrutam no Twitter, conversam e conspiram no Discord.

O Constitution DAO, como o coletivo WAGBC se autodenominou, acumulou mais de US$ 40 milhões em menos de uma semana, mas perdeu a licitação pelo artefato para o bilionário Ken Griffin. O grupo pode ter ido embora de mãos vazias, mas sem dúvida empurrou as ideias em torno da Web3 dos cantos mais nerds da internet e em direção ao mainstream. “Acho que adicionamos muita credibilidade ao Web3, que é um lugar estranho em um mundo estranho”, diz Graham Novack, 25, um dos principais organizadores do DAO e associado da 28th Street Ventures, uma empresa de capital de risco de Atlanta .

O Constitution DAO também deixou algo mais claro: o Web3 será uma bagunça. O grupo irritou alguns doadores ao devolver o dinheiro após a aquisição fracassada no leilão. Muitos pequenos contribuintes viram suas somas serem consumidas em taxas de transação envolvidas na troca de dólares e criptomoedas. Mais recentemente, os hackers atacaram outro grupo, o BadgerDAO, que ganhou US$ 120 milhões.

Firma brilhante: Patreon

Todos saúdam o Patreon, que descobriu a “economia criativa” muito antes dessa ideia chegar ao status de frase de efeito. Lançado em 2014, o Patreon oferece aos criadores uma maneira fácil de configurar um site com acesso pago, onde os influenciadores podem cobrar uma taxa mensal recorrente para conteúdo exclusivo que os fãs não conseguem acessar, digamos, no Twitter ou no Instagram (em troca, ele coleta entre 5% a 10% das transações.) O Patreon prosperou à medida que as celebridades das mídias sociais continuam substituindo as das telas de TV e cinema. “Olhando para a evolução de como chegamos aqui, eu diria que os criadores serão as pessoas mais importantes para a cultura e a sociedade daqui para frente”, disse Sam Yam, 37, presidente e cofundador do Patreon, que atualmente é avaliado em US$ 4,5 bilhões pela Tiger Global, Index Ventures e outros.

A empresa se concentrou este ano em tornar mais simples e rápido o upload de vídeos e em uma expansão para o exterior. Os criadores internacionais respondem por 40% dos negócios do Patreon no momento, embora Yam espere que eles superem os americanos em breve. “Grande talento e criatividade podem vir de qualquer lugar do mundo”, diz Yam, fazendo uma alusão delicada ao pôster do filme em seu espaço para trabalhar em casa, o Ratatouille, lançado em 2007 pela Pixar. “E você nunca deve subestimar onde vai encontrar isso.” Para se manter firme em relação às estrelas, o Patreon está ponderando como pode continuar a enriquecê-las melhor, possivelmente com um programa em que os melhores ganhadores são recompensados ​​em ações do Patreon.

Annus Horribilis: Facebook

Ah, sim, quem mais? O prêmio vai para o Facebook. Ou melhor, para a Meta Platforms Inc., conforme o Facebook recentemente se rebatizou, uma tentativa de jogar água em uma casa pegando fogo. O Facebook começou a esquentar imediatamente em 2021, quando se tornou um dos vários sites de mídia social usados ​​pelos organizadores da insurreição do Capitólio. Então veio Frances Haugen, que entregou um tesouro de documentos internos primeiro para o Wall Street Journal e depois para um consórcio de veículos de notícias, incluindo a Forbes. Eles mostram tudo o que aflige a Meta — desde os efeitos preocupantes do Instagram na saúde adolescente até o que os funcionários da Meta, como Haugen, dizem que devemos realmente nos concentrar: a desconexão entre a presença gigantesca da empresa no exterior e a escassez de recursos de que dispõe para proteger sua plataforma no exterior.

Pessoa do Ano: Keith Gill

É um pequeno exagero classificar a confusão causada por Keith Gill como uma revolução total.

Vamos relembrar o que ele fez. Suas postagens no YouTube e na comunidade WallStreetBets do Reddit sobre as ações da GameStop — um patrimônio que ele considerou profundamente incompreendido e descontado — desencadeou uma recuperação louca em janeiro passado, garantindo um salva-vidas de 2021 a uma empresa cujo modelo de negócios permanece praticamente inalterado desde 2001. Isso levou a um novo termo financeiro agora conhecido em todo o mundo:ações meme. Logo depois, as moedas meme também se tornaram onipresentes — ambos são ativos considerados financeiramente desvalorizados para alguns investidores, que também veem possuí-las como um meio de entrada para um determinado conjunto social online. Colocando um pouco mais amplamente: as postagens de Gill não fizeram nada menos do que encorajar toda uma nova geração de investidores domésticos a participar dos mercados de ações, o maior motor de riqueza disponível. Os chamados investidores de varejo responderam por mais de 20% das negociações com ações neste ano, quase o dobro do ano anterior.

O próprio Gill chegou à fama com origens humildes. Seu pai era motorista de caminhão em Massachusetts, sua mãe enfermeira, e Gill foi o primeiro da família a se formar com um diploma universitário de quatro anos. Depois de deixar o Stonehill College em 2009, ele assumiu uma série de empregos rotativos, inclusive como comerciante na MassMutual, uma seguradora de vida. Então Gill escolheu um nome de teclado não imprimível aqui — DFV para abreviar — e no final de 2020 começou anonimamente a narrar seu investimento em GameStop, uma posição que acabou crescendo de US$ 53.000 para quase US$ 50 milhões.

(Gill não pôde ser contatado para ouvir sobre a importância de suas contribuições para as finanças globais e as mídias sociais em 2021. Mas quando foi convidado a testemunhar perante o Congresso em fevereiro, ele ofereceu uma justificativa concisa para suas ações. “Fundos de hedge e outras empresas de Wall Street têm equipes de analistas trabalhando juntas para compilar pesquisas e criticar ideias de investimento, enquanto os investidores individuais não tiveram essa vantagem”, disse ele a um comitê da Câmara dos Representantes. “Plataformas de mídia social como YouTube, Twitter e WallStreetBets no Reddit estão nivelando o campo de jogo. E em um ano de quarentenas e cobiça, interagir com outros investidores nas redes sociais foi uma maneira segura de socializar. Nós nos divertimos.”)

Esse entretenimento provavelmente teve mais efeitos em cascata, alguns mais sutis do que a faísca óbvia para o rally da GameStop em janeiro. Os tokens não fungíveis, ou NFTs, teriam disparado este ano sem o Gill e o GameStop? Provavelmente. Mas Gill e GameStop certamente levaram mais pessoas do que nunca a considerar a negociação de ativos especulativos pela Internet. Além disso, há uma semelhança inegável entre NFTs e os ativos de meme, sua beleza está toda nos olhos de quem vê oportunidade em segurar seus bitcoins na maior parte do tempo.

E teríamos obtido experimentos como BitClout e DeSo de Al-Naji, que impulsionam ainda mais a sobreposição de mídia social e finanças? De novo, provavelmente. Ainda assim, quando Al-Naji adotou seu apelido Diamondhands para lançar o BitClout, ele o roubou de um meme do WallStreetBets sobre Gill e GameStop.





Fonte